E o fantasma da gordura trans continua assombrando nossa saúde, ela ainda consta em vários produtos industrializados e sem a devida informação, confira no blog Advogado de Defesa.

Anúncios

Alerta importante do Clube dos Vira Latas

Muita gente não sabe, mas a Páscoa representa um grande pesadelo para muitas entidades de ajuda aos animais, devido à maciça venda de coelhos como presente e seu posterior abandono. Levados pelo impulso, muitos pais acabam comprando coelhos para seus filhos, sem conhecer a natureza destes animais.
Portanto, antes de optar por comprar ou mesmo adotar um coelho, existem algumas coisas que você deve saber:
• Coelhos vivem entre oito e dez anos, o que torna a adoção um compromisso de longo prazo. Eles exigem cuidados veterinários regulares, muitas vezes, de especialistas, que podem custar caro.
• Crianças, muitas vezes, querem um coelho para pegar no colo e fazer carinho. Porém, por natureza, a última coisa que um coelho quer é ser apanhado. Coelhos são animais de presas e apanhá-los ou segurá-los no colo, pode lhes dar a sensação de terem sido capturados por um predador. Por isso, eles podem morder e arranhar fortemente na tentativa de se soltar, ferindo crianças e adultos desavisados.
• As costas de um coelho são muito frágeis e uma pequena queda pode lhe causar sérios ferimentos. Por isso, coelhos não são aconselhados para crianças menores de oito ou nove anos.
• Coelhos gostam de roer coisas. Cabos e fios espalhados pela casa serão certamente alvo de seus dentes, podendo trazer prejuízos financeiros, além do risco de morte dos mesmos pela eletricidade.
 • Coelhos não vivem bem isolados de outros coelhos. Tornam-se tristes e deprimidos. O ideal para uma família que resolva criar um, é dar lhe um companheiro e bastante espaço.
• A reprodução de um coelho é muito rápida. Sua puberdade ocorre aos 120 dias de vida e sua gestação tem duração de apenas 28 dias. Em uma única ninhada, nascem de 7 a 12 filhotes e a fêmea volta a entrar no cio 14 dias após o parto.
• Como todo animal, o coelho precisa de comida e água, mas feno é importante para eles também.
• Coelhos, como pessoas, não gostam de gaiolas e ficam deprimidos quando são obrigados a viver em uma.
Por tudo isso, pense muito bem antes de comprar um coelho para seus filhos ou para si. Lembre-se que você estará assumindo a responsabilidade por uma vida, que sempre será dependente de você.
Compartilhe esta informação e ajude a salvar milhares de coelhos.
O Clube dos Vira-Latas agradece.

produzimos 1kg de lixo por dia em média, confira no video de 1 minutinho!

Um dos sinais de que o consumismo tomou conta da pessoa e de que parecer ter agora é a prioridade dela, é o consumo de itens falsificados. Tomemos como exemplo os tênis.

Um tênis é um calçado e portanto influi mais na saúde do que uma roupa, incluindo a estrutura de ossos, tendões, articulações e até a coluna vertebral.  O tênis deve ser confortável, durável, adequado aos seus pés, à sua pisada e ao tipo de uso que você fará dele.  Caminhada, corrida, basquete e futebol pedem diferentes tipos de tênis.  A partir daí as cores, o estilo, as marcas e o preço podem ser levadas em conta.

O que leva alguém a ignorar tudo isto e aceitar um produto que não é fiscalizado e portanto muitas vezes utiliza a pior matéria prima possível, trabalho escravo ou infantil, acabamento que não dura?  O que leva um consumidor a abrir mão dos seus direitos pagando para uma empresa que não tem qualquer compromisso com a qualidade nem com coisa alguma que não seja parecer com o original? Por que alguém usa um produto de mentira se pode encontrar um de verdade pelo mesmo preço? Tudo bem um fabricante de calçados bem conceituado fazer um modelo parecido, mas com a marca dele.

Há tênis Mizuno, Asics, Puma, Nike e Adidas que custam 1,5 salário mínimo (alguns se aproximam de 1.000,00). Outros modelos intermediários destas mesmas marcas por 1 salário mínimo ou perto de 0,5 salário mínimo.  Os modelos mais básicos da Olympikus, Fila, All Star, custam cerca de 1/5 de salário mínimo (cerca de 100,00) e há muitos tênis ótimos para uso leve. A diferença é grande e quem não puder ou não quiser gastar uma fortuna, tem opção sim.

Revistanet ensina a reconhecer os piratas da Nike e Adidas:

http://www.revistanet.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=307:tenis-pirata-e-prejudicial-a-saude&catid=1:latest-news&Itemid=89

Abicalçados alerta para os riscos de lesão e fungos:

http://www.abicalcados.com.br/noticias_bespecialistas-alertam-que-tenis-falsificados-causam-lesoes-nas-articulacoes-e-na-coluna/b.html

Algumas dicas no Mercado Livre para tênis de corrida:

http://guia.mercadolivre.com.br/guia-compra-tenis-corrida-16541-VGP

http://guia.mercadolivre.com.br/guia-compra-tenis-equipamentos-corrida-1682-VGP

Interativa Regional fala sobre todos os produtos piratas, de óculos de sol a remédios:

http://www.interativaregional.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=2040

O blog The Frugal Goddess explica e dá dicas práticas sobre a vida simples. Traduzi trechinhos do último post, mas se eu fosse você visitaria com frequência, tem muita coisa interessante.

“Frugality is what happens when your true values meet your cash-flow. The natural world is a perfect model for abundant frugality. Nature is amazingly abundant and giving, but she wastes absolutely nothing. Everything is used up or recycled.”

Frugalidade é o que acontece quando seus reais valores encontram o seu fluxo de caixa. O mundo natural é um modelo perfeito da frugalidade abundante. A natureza é incrivelmente abundante e generosa, mas ela não desperdiça absolutamente nada. Tudo é usado ou reciclado.

“The wealthy started out frugal, and those who keep their hard-earned assets remain that way. To become financially independent it is imperative that you become aware of exactly where you stand right now and where you are trying to get to. Frugality is relentlessly reality based, and requires honest self-knowledge. But it is necessary for lasting financial success.”

A riqueza começa frugal e aqueles que conservam seus bens conquistados com esforço, assim permanecem. Para tornar-se financeiramente independente é imperativo que você esteja consciente de exatamente onde você está agora e onde você está tentando chegar. A frugalidade é baseada na realidade e requer auto-conhecimento verdadeiro. Mas ela é necessária para o sucesso financeiro duradouro.

Acabei de elogiar o site da Azaléia pelas várias dicas de como cuidar bem dos calçados e começou uma campanha que não gostei nadinha… A propaganda da TV diz que NÃO INTERESSA QUANTOS SAPATOS VOCÊ TENHA, É SEMPRE POUCO, que isso é sinal de autoestima, que gostar de sapatos é gostar de você!!!  Como???  E se você já estiver abarrotada de sapatos, desperdício é coisa de quem tem autoestima elevada?  E se você não puder pagar naquele momento por aquele sapato, quem se gosta faz dívida? Ficar repetindo sapato, sapato, sapato e mostrando vários pares reforça a ideia da quantidade. 

Gosto de sapatos, gosto da Azaleia, mas SENSO CRÍTICO SEMPRE, isso sim é sinal de autoestima… 

em tempos de acidentes aéreos, é uma boa metáfora… em tempos de fofoca como assunto favorito, é uma necessidade ler coisas assim para nos darmos conta do desperdício de tempo e energia…

EM CASO DE  DESPRESSURIZAÇÃO…

Martha Medeiros

         Eu estava dentro de um avião, prestes a decolar, e pela milionésima vez na vida escutava a orientação da comissária:”Em caso de despressurização da cabine, máscaras cairão automaticamente à sua frente. Coloque primeiro a sua e só então auxilie quem estiver ao seu lado.” E a imagem no monitor mostrava justamente isso, uma mãe colocando a máscara no filho pequeno, estando ela já com a dela.

         É uma imagem um pouco aflitiva, porque a tendência de todas as mães é primeiro salvar o filho e depois pensar em si mesma. Um instinto natural da fêmea que há em nós. Mas a orientação dentro dos aviões tem lógica: como poderíamos ajudar quem quer que seja estando desmaiadas, sufocadas, despressurizadas?

         Isso vem ao encontro de algo que sempre defendi, por mais que pareça egoísmo: se quer colaborar com o mundo, comece por você.

         Tem gente à beça fazendo discurso pela ordem e reclamando em nome dos outros, mas mantém a própria vida desarrumada. Trabalham naquilo que não gostam, não se esforçam para manter uma relação d amor prazerosa, não cuidam da própria saúde, não se interessam por cultura e informação e estão mais propensos a rosnar do que a aprender. Com a cabeça assim minada, vão passar que tipo de tranqüilidade adiante? Que espécie de exemplo? E vão reivindicar o quê?

         Quer uma cidade mais limpa, comece pelo seu quarto, seu banheiro e seu jardim. Quer mais justiça social, respeite os direitos da empregada que trabalha na sua casa. Um trânsito menos violento, é simples: avalie como você mesmo dirige. E uma vida melhor para todos? Ajudaria bastante pôr um sorriso neste rosto, encontrar soluções viáveis para seus problemas, dar uma melhorada em você mesmo.

         Parece simplório, mas é apenas simples. Não sei se esse é o tal “segredo” que andou circulando pelos cinemas e sendo publicado em livro, mas o fato é que dar um jeito em si mesmo já é uma boa contribuição para salvar o mundo, essa missão heróica e tão bem intencionada.

         Claro que não é preciso estar com a vida ganha para ser solidário. A experiência mostra que as pessoas que mais se sensibilizam com os dilemas alheios são aquelas que ainda têm muito a resolver na sua vida pessoal. Por outro lado, elas não praguejam, não gastam seu latim à toa: agem. A generosidade é o seu oxigênio.

         Tudo o que nos acontece é responsabilidade nossa, tanto a parte boa quanto a parte ruim da nossa história, salvo fatalidades do destino e abandonos sociais. E, mesmo entre os menos afortunados, há os que viram o jogo, ao contrário daqueles que apenas viram uns chatos. Portanto, fazer nossa parte é o mínimo que se espera.

         Antes de falar mal da “Caras”, pense se você mesmo não anda fazendo muita fofoca. Coloque sua camiseta pró-ecologia, mas antes lembre-se de não jogar lixo na rua e nem de usar o carro desnecessariamente. Reduza o desperdício na sua casa. Uma coisa está relacionada com a outra: você e o universo. Quer mesmo salvá-lo? Analise seu próprio comportamento. Não se sinta culpado por pensar em si próprio. Cuide do seu espírito, do seu humor. Arrume seu cotidiano. Agora sim, estando quite consigo mesmo, vá em frente e mostre aos outros como se faz.