Perdoem-me por ter sumido, no momento meu sobrenome é trabalho! Em breve espero descansar e recarregar as baterias.

Perder dinheiro todos perdem, ele circula e a mesma nota que saiu de suas mãos pode voltar para você e ser usada, ou investida e gerar mais notas iguais…

Tempo não, este momento nunca mais voltará, nós mudamos assim como tudo à nossa volta. Perder um minuto que seja é definitivo, este minuto é irrecuperável.

Um abraço

Andréa

Se você pretende viajar para o exterior, pode trocar o seu dinheiro em bancos ou casas de câmbio, leia boas dicas no Viajanet.

Muitos afirmam ser o amor ao dinheiro o maior problema do mundo, o que leva as pessoas a serem más e infelizes, cometerem atos criminosos e se tornarem escravas. Quando eles citam exemplos de pessoas que seriam materialistas e teriam este amor ao dinheiro exacerbado, eu vejo outra coisa. Vejo amor ao PODER que o dinheiro traz, o controle sobre sua própria vida e a dos outros, o respeito que deveria ser destinado a todos, o status que impressiona.

Frequentemente eu tenho a impressão que as pessoas que se deixam controlar e seduzir pelo poder financeiro do outro, essas sim tem amor ao dinheiro… E também acho que o amor ao poder é que é avassalador, impiedoso, escravizante e perigosíssimo. Deve ser administrado e trabalhado com extremo cuidado e normalmente se manifesta de outras formas não necessariamente mateirais!

O que você acha? Comente aqui ou mande e-mail.

“Não estimes o dinheiro nem mais, nem menos do que ele vale: é um bom servidor e um péssimo amo”, Alexandre Dumas Filho, romancista francês do século XIX

14 frases sobre dinheiro, ditas por pessoas famosas como empresários, políticos, economistas, investidores e até personagens de filmes na Exame.

Tudo bem que as moedas e principalmente as cédulas de diheiro sejam sujas, literalmente falando, mas percebo que a sujeira do dinheiro recebe uma atenção exagerada em relação a outras coisas igualmente ou mais contaminadas. Tudo em que pegamos, especialmente na rua, vai juntando sujeira e tem que receber uma limpezinha de vez em quando… Cansei de ver pesquisas alertando para os campeões da sujeira: corrimão, maçaneta, teclado e mouse, celular, volante e câmbio de carro, carrinho de supermercado, entre outros. Raramente vejo alguém limpando estes objetos ou dizendo por ex: eca, fechou a porta e agora está comendo com esta mão suja! E é muito comum ver alguém comendo no carro, ônibus, metrô, ou deixando o celular em cima da mesa do restaurante, pertinho do prato!

Esta noção de que dinheiro é fisicamente sujo não contribui em nada para nossa inteligência financeira, ela pode transcender a parte biológica e se impregnar como uma má impressão. Claro que não é saudável beijar dinheiro, dormir ou tomar banho com ele, guardar na lingerie, como já vi em algumas cenas de filmes…  Só quero lembrar que dinheiro é importante, deve ser respeitado, valorizado, bem gasto, bem investido. Ele pode conter germes, mas também pode conter uma possibilidade de realizar algum sonho. Ele pode estar meio rasgado e ainda assim servir para comprar coisas de que necessitamos. Ele pode passar de mão em mão, mas ele foi feito para circular e ser movimentado. A história de cada cédula ou moeda poderia dar um interessante filme, com muitas vidas envolvidas. Ele pode ter chegado às mãos de um bandido como fruto de caminhos desonestos, mas o mesmo dinheiro pode ser usado em seguida para pagar uma conta comum de um serviço “limpo”. Em termos de ética, mesmo o chamado “dinheiro sujo” não é realmente ele que é sujo, e sim a atitude de quem praticou a corrupção,  contravenção.

Lavar as mãos, limpar seus objetos onde elas tocam diariamente não é suficiente? Por que ter mais nojo da sujeira do dinheiro do que das outras coisas?

Lembra do post sobre notas danificadas? Agora é o dinheiro manchado que deixa de ter valor, veja mais dicas e explicações no site do Banco Central.

Dezenas de milhares de notas foram tingidas de cor-de-rosa pelos bancos através do sistema antifurto, se receber alguma recuse. Mas se já estiver com ela, você pode tentar levar na agência bancária, que encaminhará ao próprio Banco Central para que este analise a nota e talvez troque.