Confira as dicas do MSN (fonte: NewYorkTimes) de como usar bem, preparar e conservar legumes e verduras. Seguindo estas dicas, seus vegetais durarão mais e serão melhor aproveitados.

O site Lonely Planet mostra atividades gratuitas na cidade de Nova Iorque em 40 free things to do in NYC.

As diferentes embalagens dificultam muito nossa comparação entre os produtos e portanto dificultam uma decisão rápida e consciente. Vejam o caso do supermercado, onde o certo seria saber o preço por litro / kilo / metro / unidade, em cada embalagem ou na prateleira. Além disso, vale considerar a qualidade e o rendimento / concentração do produto, que podem variar bastante. Para quem acha que todos os produtos industrializados seguem um padrão mínimo de qualidade, pergunte a quem já visitou ou trabalhou em mais de uma indústria…

Tomemos como exemplo o papel higiênico e o suco pronto.

Rolos de papel higiênico podem ter 30, 50 ou 60 metros. Qual compra vale mais à pena – 8 rolos de 30 metros folha simples comum por 4,72 ou 4 rolos de 50 metros folha dupla macia por R$ 6,92?  O simples custa 2 centavos por metro, mas você precisa usar o dobro da quantidade enquanto o macio custa 3 centavos o metro mas rende mais e talvez você possa usar como lencinho para acudir gripes e alergias por ex.

E na hora de comprar o suco, você preferiria um concentrado por 11,00/litro ou pronto por 5,00/litro, sabendo que a maioria dos sucos tem corante, espessante e aromatizante (incluindo os concentrados)? Você estaria disposto a pagar mais por um produto natural ou por um sabor exótico do Nordeste? Você acha que vale à pena pagar mais por um produto light ou diet mesmo sem ser diabético ou obeso?

A quantidade de opções nos confunde, chegue ao supermercado com algumas ideias já formadas e procure saber o preço por unidade. Minha maior surpresa foi constatar que nem sempre as embalagens de maior quantidade são realmente mais econômicas, acontece de serem do mesmo preço ou até mais caras… Compare!

Algumas boas ideias para reciclar brincando:

Na sexta passada, o Globo Repórter abordou as finança pessoais novamente, com ênfase nos poupadores. Conheça algumas histórias de superação,  prosperidade e realização de sonhos, como a faxineira que comprou apartamento pertinho de frente para o mar.

Problemas com peso trazem problemas financeiros

Muitas pessoas em eterno regime reclamam de suas dificuldades financeiras decorrentes do excesso de peso ou do efeito sanfona. Parece que existe uma ditadura da magreza que facilita tudo para as pessoas magras e dificulta a vida das pessoas gordas. Minha intenção é incentivar a saúde e um peso equilibrado, bem como alertar para preconceitos e injustiças.

Quando a quantidade de alimentos consumida é maior, obviamente o gasto também é. Ao entrar em dieta alimentar daquele tipo que dá preferência aos produtos light ou diet, paga-se mais caro por eles. Quando existe compulsão, podem acontecer imprevistos do tipo acabar repentinamente um estoque que deveria durar dias e ter que comprar mais. Médico que acompanha a dieta, remédio, nutricionista, spa, todo o tratamento tem um alto custo. As pessoas magras costumam gastar menos com alimentação, mas claro que há exceções, alguns magros praticam todos os gastos citados acima. Lembro que existem alternativas alimentares naturais e simples, como sempre mostramos aqui.

Outro assunto é o vestuário. No Brasil, várias confecções e lojas param no 44 e não querem ter uma gordinha vestindo suas roupas. As roupas em tamanhos maiores do que o 44 são difíceis de encontrar, muitas vezes só mesmo em lojas especializadas. Difícil mesmo é desembolsar por elas um valor bem maior sem que elas sejam assim tão especiais. As pessoas magras tem menos preocupações de modelo que valoriza isto ou esconde aquilo. Elas tem mais opções de lojas e marcas, desde as realmente baratas até as realmente chiques, enquanto as numerações maiores dificilmente fogem das lojas meio termo com modelos simples e conservadores. São coisas que não me parecem muito justas ou corretas por parte das empresas.

É comum que os adeptos de dietas alimentares tenham um estoque de roupas em diferentes tamanhos, para acompanhar as variações da balança. Isso provoca certa confusão: guardar a roupa maior parece desperdício e pessimismo, guardar a roupa menor parece ilusão, porém não guardar parece risco de ter que encarar novamente a maratona de lojas especializadas e gastos exorbitantes. A instabilidade do peso gera além dos problemas de saúde, a necessidade de manter peças duplicadas.

Ao usar qualquer tipo de transporte público, os assentos, banheiros e corredores parecem desenhados para os esbeltos. A classe econômica dos aviões pode ser extremamente desconfortável para alguém acima do peso e a diferença de preço para a classe executiva já é enorme, primeira classe então nem se fala. Manter alguém apertado e preso em uma única posição faz a circulação ficar prejudicada, trazendo mais riscos à saúde. As cadeiras e bancos de plástico estão por todo lado, até mesmo em bares, restaurantes e festas. São baratinhos, leves e fáceis de limpar, mas não suportam muito peso. Economiza-se em espaço e material, mas perde-se em satisfação de uma grande quantidade de consumidores.

A obesidade é um problema mundial e sempre foi comum nas classes sociais mais altas e agora tem crescido assustadoramente entre as pessoas de baixa renda. Hábitos alimentares pouco saudáveis, stress e sedentarismo reduzem a qualidade de vida e aumentam os custos das famílias e do governo. Tudo isto aliado à falta de informação pode ser desastroso. A oferta de trabalho e até mesmo o salário são menores, para alguns cargos, quando a pessoa está acima do peso, como tudo o que se refere à aparência. Cabe ao empregador evitar o preconceito e o empregado cuidar-se mais.

O lado financeiro da briga com a balança pode ser um incentivo não somente por todos os problemas mencionados acima.  Há casos muito interessantes de pessoas que perderam peso para ganhar uma aposta com amigos em que cada um colocava um determinado valor e aquele que finalizasse o período com a maior diferença levava todo o montante. Também se pode entrar em uma nova forma física motivado por algum concurso, campeonato ou qualquer coisa que ofereça um gordo prêmio em dinheiro! Claro que tudo devidamente acompanhado por um programa de exercícios e cuidados médicos…

 

Depois de “maratona de festas”, “viradão de compras” e “férias alucinantes”,  se você sobreviver sem dívidas e ainda com reserva para os impostos e gastos escolares, dá para aproveitar as tradicionais liquidações de janeiro com IPI reduzido… 

Veja a notícia no R7 e aproveite para testar os seus conhecimentos sobre impostos no fim da página. O UOL  dá 7 boas dicas para aproveitar as liquidações.