Em tempos em que manipular os outros para fazer as nossas vontades é tão comum, eu estava lendo o livro A Ciência de Ficar Rico. Discordei de alguns pontos, duvidei de outros, mas amei algumas partes, como esta:

“É um erro flagrante coagir as pessoas pelo poder mental, assim como coagi-las pelo poder físico.
Se obrigar as pessoas pela força física a fazer coisas por você as reduz à escravidão, obrigá-las por meios mentais faz exatamente a mesma coisa; a única diferença está nos métodos.
Se tirar coisas das pessoas pela força física é roubar, igualmente tirar coisas pela força mental também é roubo.
Não existe diferença no princípio.”

Wallace D. Wattles

O Estadão alerta para uma coisa que todos os consumidores espertos já perceberam: a maioria dos objetos é fabricada com data para “morrer”. Então, além de você ser pressionado a querer, você é obrigado a trocar de modelo mesmo que não queira. Foi produzido um documentário sobre isto, chamado The Light Bulb Conspiracy, confiram o trailer no final do texto.

Deus permita que, só por hoje, eu não explore nem seja explorada…

Já aconteceu com você ou na sua empresa uma situação constrangedora envolvendo brindes e presentes de fim de ano?

Achei super interessante este artigo O Ladrão Pensa que Todos Roubam do blog O Líder Acidental.  Rodolfo lembrou que “quem rouba por você, um dia roubará de você”!

Uma das contradições financeiras mais comuns é a pessoa pagar uma fortuna em uma bolsa, carro, celular, supervalorizando estes objetos, porém… DESVALORIZAR os serviços dos profissionais que a atendem: pechinchando, atrasando o pagamento, exagerando nas exigências, tratando mal, pagando o mínimo possível, cancelando ou desmarcando em cima da hora, afirmando que ele não precisa. Coisas dão status, a pessoa pode mostrar, ostentar e ficar olhando para elas, enquanto o serviço é abstrato, o lado infantil dela não reconhece bem o abstrato. Ainda que o resultado deste serviço seja bem visível e concreto, ainda que a ajude a viver melhor, ela não retribui isto ao prestador deste serviço. Pelo contrário, o prejudica.

Isto também faz parte do consumismo, que nos leva a desejar tudo o que vemos e ouvimos falar: o serviço de um profissional competente? Eu quero! Um cachorrinho fofinho? Vou levar! A roupa da moda? Agora mesmo! Uma linda casa bem espaçosa? Eu mereço! Todos os acessórios possíveis no meu carro? Preciso! Mas com que dinheiro vou pagar o profissional? E depois, como irei manter a casa? Terei tempo para educar meu cachorro e cuidar bem dele por uns 15 anos? Vou mesmo usar esta roupa para justificar o preço? Este carro é o mais adequado ao meu estilo de vida? Agir por impulso, sem pensar nas conseqüências para nós e para os outros e pensar que cartão de crédito cria dinheiro são coisas de criança. Enquanto fizermos isso, nossos filhos, sobrinhos e empregados nos imitarão.

Segundo Aldo Novak, a nossa sombra é muitas vezes uma criança birrenta, que grita “Eu quero agora!”  Ele diz que “SONHAR É TER ALEGRIA COM LASTRO”.

Aldo Novak afirma que não há maneira de você vencer uma discussão! É um ponto de vista muito interessante que mostra mais uma ilusão super comum…

Ética é coisa tão rara que acho importante compartilhar e, obviamente, dar crédito ao autor. Leia o artigo na Academia Novak  http://osegredoparaseussonhos.ning.com/profiles/blogs/perder-o-equilibrio-quando .

recebi por e-mail e desconheço o autor, se alguém souber por favor informe…

” Tá ” reclamando do síndico? do Sarney? do Collor? Do Renan? do Palocci? do Jucá? do sapo barbudo? do Kassab? do Arruda? Brasileiro Reclama De Quê? O brasileiro é assim:

1. – Saqueia cargas de veículos acidentados nas estradas.

2. – Estaciona nas calçadas, muitas vezes debaixo de placas proibitivas.

3. – Suborna ou tenta subornar quando é pego cometendo infração.

4. – Troca voto por qualquer coisa: areia, cimento, tijolo, dentadura.

5. – Fala no celular enquanto dirige.

6. -Trafega pela direita nos acostamentos num congestionamento.

7. – Para em filas duplas, triplas em frente às escolas.

8. – Viola a lei do silêncio.

9. – Dirige após consumir bebida alcoólica.

10. – Fura filas nos bancos, utilizando-se das mais esfarrapadas desculpas.

11. – Espalha mesas, churrasqueira nas calçadas.

12. – Pega atestados médicos sem estar doente, só para faltar ao trabalho.

13. – Faz ” gato ” de luz, de água e de tv a cabo.

14. – Registra imóveis no cartório num valor abaixo do comprado, muitas vezes irrisórios, só para pagar menos impostos.

15. – Compra recibo para abater na declaração do imposto de renda para pagar menos imposto.

16. – Muda a cor da pele para ingressar na universidade através do sistema de cotas.

17. – Quando viaja a serviço pela empresa, se o almoço custou 10 pede nota fiscal de 20.

18. – Comercializa objetos doados nessas campanhas de catástrofes.

19. – Estaciona em vagas exclusivas para deficientes.

20. – Adultera o velocímetro do carro para vendê-lo como se fosse pouco rodado.

21. – Compra produtos pirata com a plena consciência de que são pirata.

22. – Substitui o catalisador do carro por um que só tem a casca.

23. – Diminui a idade do filho para que este passe por baixo da roleta do ônibus, sem pagar passagem.

24. – Emplaca o carro fora do seu domicílio para pagar menos IPVA.

25. – Freqüenta os caça-níqueis e faz uma fezinha no jogo de bicho.

26. – Leva das empresas onde trabalha, pequenos objetos como clipes, envelopes, canetas, lápis…. como se isso não fosse roubo.

27. – Comercializa os vales-transporte e vales-refeição que recebe das empresas onde trabalha.

28. – Falsifica tudo, tudo mesmo… só não falsifica aquilo que ainda não foi inventado.

29. – Quando volta do exterior, nunca diz a verdade quando o fiscal aduaneiro pergunta o que traz na bagagem.

30. – Quando encontra algum objeto perdido, na maioria das vezes não devolve.

E quer que os políticos sejam honestos…

Escandaliza-se com a farra das passagens aéreas… Esses políticos que aí estão saíram do meio desse mesmo povo ou não? Brasileiro reclama de quê, afinal? E é a mais pura verdade, isso que é o pior! Então sugiro adotarmos uma mudança de comportamento, começando por nós mesmos. Reflita sobre o seu próprio comportamento! Espalhe essa idéia! E pratique-a!

“Fala-se tanto da necessidade deixar um planeta melhor para os nossos filhos e esquece-se da urgência de deixarmos filhos melhores (educados, honestos, dignos, éticos, responsáveis) para o nosso planeta, através dos nossos exemplos…”

A mudança deve começar dentro de nós, de nossas casas, nossos valores, nossas atitudes!